AGENDA

SESSÃO ORDINÁRIA: 04/10 - 17H

imprensa

07/04/2022

Dengue

Coordenadora de Endemias alerta sobre a dengue: “50% do trabalho é do agente e 50% é da população”

Destaque

Na sessão ordinária desta terça-feira, 5 de abril, os vereadores receberam no plenário a coordenadora do Programa de Endemias, Patricia Sophiatti, representando a Secretaria de Saúde, para se inteirarem sobre o combate à Dengue no município de Brusque. A ação foi requisitada pelo vereador André Rezini (Republicanos), em requerimento.

Ela explicou que o programa conta hoje com 24 agentes, 3 supervisores e 1 coordenadora a cidade se encontra com 11 bairros infestados: 1° de Maio, Águas Claras, Azambuja, Jardim Maluche, Nova Brasília, Santa Rita, Santa Terezinha, São Luiz, São Pedro, Souza Cruz e Steffen. A convidada alertou que a Brusque contabiliza, até a data da reunião, 595 casos positivos e os bairros com maior número de casos são o Souza Cruz (144), o Jardim Maluche (111) o Santa Terezinha (62), nos quais foram aplicados o inseticida UVB, considerado mais potente.

O vereador Ivan Martins (Republicanos) questionou como a Prefeitura está conscientizando a população sobre a doença, para que a comunidade possa colaborar na prevenção. “50% do trabalho é do agente de endemias e 50% é da população. O agente de endemias não dá conta de fazer todo esse trabalho. Nós precisamos que a população se conscientize”, disse Patrícia. “E como o número de casos está elevado, a população também deve fazer uso de repelente”, alertou.

Num segundo momento, Martins ainda indagou se a mão de obra da pasta é suficiente para fazer o trabalho de campo. A coordenadora respondeu que a pasta realizou recentemente um processo seletivo e que novos agentes de endemias estão sendo convocados.

Patrícia respondeu ao questionamento de Marlina Oliveira (PT) sobre como funciona a aplicação do inseticida. “Tendo um caso positivo, ele é obrigatoriamente notificado ao Estado, então, é liberado que a gente faça o bloqueio de 150m ao redor da residência do positivo, aí é aplicado o inseticida. Como esses três bairros estão infestados, é o Estado que determina onde será aplicado esse inseticida. Não somos nós, o município, que faz essa determinação”, explicou a coordenadora.

Mutirão D

Sophiatti anunciou que será realizado no próximo sábado, 9, o “Mutirão D” nos três bairros mais infestados, Souza Cruz, Jardim Maluche e Azambuja. A ação tem o objetivo de eliminar os possíveis criadouros do mosquito Aedes Aegypty, transmissor da doença, com a coleta de resíduos que podem acumular água e também sensibilizar a população com orientações de prevenção.

Conscientização

Ela também citou o PSE, Programa Saúde na Escola, com ações e palestras nos educandários para conscientização dos estudantes acerca de medidas preventivas e para que os alunos repliquem as informações nas respectivas famílias. A convidada informou ainda que o Executivo realiza divulgação semanal de campanhas em veículos de comunicação locais.

Natal Lira (DC) reforçou a falta de consciência de cidadãos que descartam embalagens na rua, facilitando os focos de mosquitos. “O ciclo de vida do mosquito dura, em média, 45 dias. Nesses dias, a fêmea pode colocar até 400 ovos. É uma luta desigual. A população tem que tomar consciência e tem que ajudar”, alertou Patrícia.

André Vechi (DC) perguntou se há muitos cidadãos que tem evitado ou atrapalhado o trabalho dos agentes de endemias e como os profissionais têm procedido nesses casos. “Em alguns bairros, ficou bem marcada essa questão, eles não receberam a visita do agente comunitário e isso dificulta muito o nosso trabalho. O agente agora pode acionar a polícia, mas a população precisa se conscientizar e receber esse profissional”.

Denúncias

Um canal de denúncias de focos e água parada foi aberto aos cidadãos, via WhatsApp, pelo telefone (47) 988130095.

    Nenhum tópico relacionado para este conteúdo;

    veja também